Omraam Mikhaël Aïvanhov - International Foundation Omraam Villa di Vico Onlus

Go to content

Main menu

Omraam Mikhaël Aïvanhov

O.M. Aïvanhov

Omraam Mikhaël Aïvanhov (Serbtzi, 31 de Janeiro de 1900 - Fréjus, 25 de Dezembro, 1986), é um filósofo e professor de origem Macedoniana, que viveu na Bulgária até 1937 e moveu-se para a França a pedido do seu Mestre, Peter Deunov. Aqui, transmitiu grande parte do seu Ensinamento com mais de 5.000 conferências.
Os tópicos abordados ao longo das suas conferências cobrem todos os aspetos de existência humana sendo sempre o tema dominante o homem e a sua evolução, vistos numa perspetiva de crescimento espiritual. Todos os assuntos estão invariavelmente ligados a uma abordagem que destaca a causa da Humanidade e o que um pode aprender para poder compreender-se a si próprio e levar um modo de vida mais adequado.

«Quando o homem conhecer a sua verdadeira estrutura física e a sua imensa possibilidade criadora, transformar-se-á completamente e fará de si mesmo e da vida um modelo»


(Omraam Mikhaël Aïvanhov)


Breve biografia de Omraam Mikhaël Aïvanhov:

1900 - Mikhaël Ivanov nasce numa família de na aldeia de Serbtzi, Macedónia, a 31 de janeiro de 1900. A sua mãe Dolia conta que tinha consagrado o seu filho a Deus, antes mesmo da sua conceção. A vida do pequeno Mikhaël é muito chegada à natureza, na qual ele passa muito tempo e que considera ter sido o seu primeiro professor.

1907 -  Como resultado da atual turbulência política, a sua aldeia é invadida e Mikhaël, juntamente com sua mãe, juntou-se ao seu pai, em Varna na Bulgária. Dois anos depois, seu pai morreu, e para eles começou um período de grande dificuldade e de extremas restrições económicas.



1912 – Perto dos 12 anos, Mikhaël começou a ler livros de natureza espiritual, incluindo a Bíblia; mais tarde, os textos hindus e budistas, as obras de Steiner, Blavatsky, Spinoza, Paracelso, etc... experimenta exercícios de respiração e meditação com perseverança e tenacidade, até que aos 16, por ocasião de uma longa meditação combinada com uma técnica especial de respiração, Mikhaël tem uma experiência mística que o marcou profundamente: ele torna-se capaz de ouvir a Música das esferas:
"Tudo cantava... As estrelas, as plantas, as pedras, as árvores, tudo cantava em uma harmonia tão grande, tão sublime que meu ser dilatou até ao ponto em que eu tive medo de morrer. Desejo a todos que a sintam, mesmo que apenas por alguns segundos, o que eu senti, de modo a que possam ter uma medida, uma ideia do que é música de verdade. "

Desde a infância, Mikhael é animado por um desejo extraordinário de perfeição, de ser ideal para ajudar a humanidade e uma profunda necessidade de alcançar o pleno conhecimento das coisas; Isso o levou a dedicar muito tempo à leitura e a praticar exercícios espirituais.
É fortemente atraído pela pesquisa do mundo espiritual e das faculdades ocultas do homem. Experimenta técnicas de concentração, o poder do pensamento, o contato interior com o mundo invisível, estuda a luz e os seus efeitos sobre o prisma e as cores que dele derivam. Uma intuição extraordinária permite-lhe compreender e prever as relações entre os fenómenos físicos e espirituais. Mas é ainda muito jovem. Diz em uma conferência "... Eu lançava-me perdidamente em certos exercícios de ioga, respiração, concentração, foram dias e noites de estudo, jejum e meditação."


1917 –  Em Varna, cidade localizada nas margens do Mar Negro, encontra-se com o Mestre Peter Deunov (1864-1944), fundador da Fraternidade Branca Universal, na Bulgária. Será seu discípulo por vinte anos, durante o qual será capaz de estudar e aprofundar o ensinamento do seu Mestre.
Paralelamente às suas atividades espirituais, depois de ter terminado os seus estudos universitários, Mikhaël Ivanov tornou-se professor e posteriormente diretor de uma escola secundária.
Eis algumas das revelações que Peter Deunov fez ante o seu discípulo:
"Deves saber que lá em cima não eras livre. Antes de encarnar, assinaste um contrato diante a uma grande Assembleia, frente aos mais altos Espíritos. Aceitaste levar a cabo um trabalho aqui e deves cumpri-lo."  
E mais:
"Em uma encarnação anterior, na Índia, escreveste livros e todo o mundo se instruiu com eles [...] Vieste para ser testemunho da Verdade."

1937 - Dois anos antes da eclosão da Segunda Guerra Mundial, prevendo as convulsões que ocorreriam, Peter Deunov encarrega Aïvanhov de "carregar a tocha" do seu ensinamento para a França. Aïvanhov deixa tudo para cumprir a missão que lhe foi confiada. Antes da sua partida para a França, Deunov revela:
"Confio-te uma pedra preciosa de enorme e inestimável valor, mas como vais ter que passar por uma grande floresta infestada de ladrões e bestas selvagens, esta pedra deverá estar camuflada para não ser reconhecida. Esses ladrões vão-se atirar a ti e tentar roubar-ta, mas não encontrarão nada de valioso, e eventualmente deixar-te-ão em paz. Quando tiveres atravessado aquela grande e perigosa floresta, eu estarei contigo para desvendar essa pedra que brilhará com um esplendor incomparável. "

Em 22 de julho de 1937, o Irmão Mikhaël chegou à França, no momento da Exposição Universal de Paris. Stella, a irmã que o acolheu, a convite de Deunov, disse dele:
"A coisa que mais me atingiu no início, foi a intensidade de luz que surgia dele, impregnado com uma doçura de luz e um amor puro, impessoal, que fluía como um rio divino sobre os seres e as coisas."
(Svezda, Vida e Ensinamento do Mestre Omraam Mikhael Aivanhov em França,
Edições Prosveta)

Lanza del Vasto, em a sua introdução ao Amor, Sabedoria, Verdade, o primeiro livro do irmão Mikhaël, impresso em 1948, escreve:
"É pela abundância do coração que fala a boca. Eis as palavras do Evangelho que penso quando ouço o irmão Mikhaël. Ele fala como os pássaros que cantam, com uma perfeição natural, com um completo abandono de si mesmo. O Irmão Mikhaël é uma porta aberta. Através dele passa o que vem do Mestre, aqueles que o escutam vão até ao Mestre por meio dele. Eu não admiro aqueles que se impõem, eu admiro aqueles que se tornam transparentes, de modo a que a verdade os atravesse. "
Aïvanhov responde:
"O amor é a solução para todos os problemas. O amor é a chave que abre todas as portas da alma humana. O amor é a força de todas as forças criativas da Natureza. O amor é uma ciência que não foi ainda estudada como deveria ser. Aquele que a conhece e sabe amar é todo-poderoso".


1947 - Nasce a Associação Fraternidade Branca Universal e em Sèvres, perto de Paris, é fundado um Centro de encontros fraternais, que Aïvanhov chama "Izgrev" (Sol Nascente, em búlgaro), como o Centro de Peter Deunov em Sofia.

1948 –  É o período das provas: na sequência de acusações com base em falsos testemunhos, Aïvanhov é vítima de uma conspiração e é preso. Passa dois anos na prisão. Posteriormente, será completamente exonerado (1960) e receberá um pedido de desculpas oficial do Estado francês.
Aïvanhov diz sobre esses eventos:
"A difamação é algo que sentimos como um veneno mortal. Mas a ciência iniciática estava lá para me mostrar que esta era a melhor coisa que poderia ter acontecido, porque me obrigou a seguir um caminho desconhecido, a encontrar em mim as armas e os recursos imprevistos, a energia que de outra maneira nunca a teria encontrado. "


1950 – Fundou a escola espiritual do Bonfin, no sul da França, onde se estabeleceu. Aqui, a partir de então, vários meses por ano, reúnem-se pessoas vindas de todo o mundo para ouvir o ensinamento e viver uma vida inspirada.

1959 –  No dia 11 de Fevereiro, Aïvanhov parte, completamente sozinho, numa viagem de um ano na Índia.
Este período representa um ponto de viragem: visita vários ashrams e conhece vários mestres espirituais.
Em Tiruvanamalaï, é saudado calorosamente pelos discípulos de Ramana Maharshi, um dos maiores sábios da Índia moderna; tem permissão para meditar na sala do grande sábio.
Em Calcutá encontra Mâ Ananda Moyi, na qual reconhece a manifestação da Mãe Divina, e em Rishikesh encontra Shivananda.

Perto de Bombaim, visita Bhagavan Nityananda, mestre de Swami Muktananda. Vendo Aïvanhov, entra em meditação profunda. Quando abre os olhos, pronuncia em Inglês as seguintes palavras: "um coração puro, a paz em sua alma, e todos os poderes lhe são dados."
O encontro mais importante ocorre em Almora com Nim Karoli Baba. Dele falaram, com grande devoção, como um ser excepcional. O mesmo Babaji apresentava Aïvanhov aos seus discípulos da seguinte maneira: "O sadhu francês... Um yogi e um grande santo".
Também em Almora conhece e tem uma profunda amizade com o Lama Govinda Anagarika.
Na Índia, é-lhe dado o nome espiritual de "Omraam" - "...alguém que está acima de Babaji..."
Falando do seu nome iniciático, Aïvanhov explicou o seu significado:
"Meu novo nome é Omraam Mikhaël Aïvanhov. " Om " som que quebra tudo o que é negativo, corresponde a" Solve " na ciência iniciática. O som " Raam ", com suas vibrações, tem o poder de condensar, de coagular as coisas divinas e torná-los palpáveis: é "Coagula". Então nesse nome estão reunidos os dois processos "Solve" e "Coagula".

1960 –  No seu retorno a Paris, os discípulos tentam reconhecer o irmão Mikhaël, que partiu há apenas um ano antes: mas tudo nele mudou, e agora assemelhava-se mais a Peter Deunov; Espontaneamente começam a chamá-lo "Mestre" e não mais de "Irmão".

Sobre este ponto, ele diz:
"Um verdadeiro Mestre não lhe irá dizer que é um Mestre, nunca! Deixará que vós o sintais e o compreendais; não tem pressa de ser reconhecido."
"Um verdadeiro Mestre é alguém que conhece a verdade, que entende plenamente as leis e os princípios da existência, e os respeita. Possui a vontade e a capacidade de controlar o seu mundo interior e de usar esse autocontrole, com o único propósito de manifestar todas as qualidades e virtudes do amor desinteressado ".

1971 - Nasce, na Suiça as
Edições Prosveta, que publica os conteúdos das numerosas conferencias de Omraam (mais de 5.000). Os livros estão traduzidos em mais de 40 línguas.

1986 - Omraam Mikhaël Aïvanhov deixa o seu corpo físico, em plena e completa consciência, no dia de Natal de 1986. Expressou o seu desejo de que a notícia fosse anunciada apenas três dias depois: tendo insinuado que nesses três dias, ele tinha trabalho a fazer no plano subtil, e por isso o seu corpo físico deveria permanecer em isolamento.

O seu ensinamento integra e elabora os princípios das tradições espirituais ocidentais e orientais do passado, para adaptar a nossa época numa nova forma, na qual o ideal espiritual e o conhecimento iniciático são aplicados na vida prática.
O seu ensinamento é, portanto em consonância e baseia-se nos antigos ensinamentos dos grandes mestres da humanidade como Hermes Trismegisto, Orfeu, Rama, Zoroastro, Buda, Krishna, Moisés, Pitágoras, Jesus...
Baseia-se na existência dos dois grandes princípios cósmicos, masculino e feminino, o espírito e a matéria, e repousa sobre as grandes Leis universais. Essas Leis, conhecidas por todos os grandes Iniciados de todas as épocas, são reveladas pela ciência iniciática, através dos grandes mestres da humanidade.


Back to content | Back to main menu